Buscar
  • Sonia Cortez

Revolta...


Olá. Hoje venho falar de um tema, que nestes últimos dias me têm vindo muito à cabeça. Possivelmente porque por causa dele cometi alguns deslizes. Porquê falar de revolta... é um tema difícil de abordar, porque por vezes passamos por situações que nos levam a agir de uma determinada forma, e que só depois nos damos conta do quanto isso nos prejudicou.   Quantos de nós é que não nos revoltámos ao longo da vida? De certo muitas vezes. Mas... e porque é que isso acontece? A revolta é um sentimento que apenas prejudica uma pessoa.... nós mesmos... Por vezes passamos por um determinado acontecimento que nos fez despontar esse sentimento, e muitas das vezes o que fazemos? Em vez de procurarmos a solução para perceber o que nos levou a passar por isso, revoltamo-nos. A questão que colocamos sempre em primeiro lugar é: - "Porquê eu?", -"Porque é que isto me acontece a mim?" E nessa inconsciente pergunta nasce algo pior, a Revolta. Quando nos revoltamos contra alguém, ou contra algo que aconteceu na nossa vida, alteramos, quase que inconscientemente, a nossa maneira de agir, de pensar, de sentir... Pensamos que assim (ao se revoltar e agir de uma outra forma) estamos de certo modo a "vingarmo-nos" dos outros, a mostrar que somos capazes de fazer algo de diferente, e não ouvimos ninguém, porque para essa pessoa o que interessa é o que ela acha e não a opinião dos outros. Acontece que apesar de devermos seguir a nossa intuição e o que sentimos que devemos fazer, há que sentir profundamente se é esse o caminho, ouvir os outros também é bom, mesmo que no fim, depois de analisarmos essas palavras, darmo-nos conta que tínhamos razão. Mas acontece, também, que se seguirmos o nosso caminho com essa revolta dentro do peito, a única pessoa que vai magoar, é ela mesma, porque não seguiu o seu caminho original, porque não estava em paz, estava revoltada, e fê-la seguir um caminho que não era o dela. E isso pode trazer desarmonia ao seu ser interior, pois quando essa revolta passar, dar-se-à conta de que fez um longo caminho no sentido inverso ao seu. E podem crer que deixa marcas. Marcas que ficam para a vida, mas para além dessas marcas seladas na alma, deixa também um auto-conhecimento de si próprio e de certo modo uma grande evolução quer espiritual, quer humana. Tudo é aprendizagem, mesmo as mais pequenas coisas que nos acontecem e que nos parecem insignificantes. Olhem em vosso redor... tudo o que nos foi doado por Deus, permite que façamos essa evolução basta para isso estar atento aos pequenos pormenores, é neles que se encontram os grandes caminhos. Até Breve

1 visualização